sábado, 20 de fevereiro de 2010

DIVERSIDADE CULTURAL NO MUNDO ATUAL

Para a existência de uma Sociedade Global, seria necessário uma interconexão de todo o
planeta em todos os sentidos: cultural, social, com relação aos gostos, ao consumo etc. A existência
dos Estados-nações, a definição de territórios, a língua, os costumes, a diversidade cultural, as
particularidades regionais e étnicas dos povos, são fatores que impedem a existência de uma
Sociedade Global.
A informação globalizada somada à massificação da cultura, leva à descaracterização e
alienação do indivíduo. Se por um lado retiram a identidade individual, por outro, alimentam a busca
de identificações. As tendências mundiais, muitas vezes assumem um caráter local, ou seja,
paralelamente ao espaço global, continua a se construir um espaço local.
Atualmente, os termos preconceito, conflitos étnicos, discriminação racial e xenofobia
(aversão ou preconceito ao que é diferente) são cada vez mais constantes nos meios de
comunicação.
Para melhor entendê-los, é necessário analisar a idéia de superioridade que alguns povos
têm em relação a “outros”, podendo estar baseada em justificativas religiosas, econômicas e
culturais, entre outras.
E quais são os “outros”? Para muitos palestinos, os israelenses, sendo a recíproca
verdadeira; para alguns norte-americanos, os negros e imigrates latinos; para alguns paulistas, os
nordestinos; para muitos habitantes das grandes cidades brasileiras, qualquer morador da favela.
Nos primórdios da história, o indivíduos se identificava basicamente com a família, o clã e a
aldeia. O relativo isolamento das pessoas fez com que cada grupo fosse criando mecanismos
próprios para se relacionar com a natureza, estabelecimento de formas de relacionamento social,
possibilitando assim, o desenvolvimento de crenças, de formas de comunicação, de idiomas, de
manifestações artísticas, de costumes, de métodos e equipamentos de produção diferentes.
Propiciou, portanto, o aparecimento de culturas diversas, que determinaram a caracterização de
povos diversos.
Os esporádicos contatos entre os grupos promoveram assimilações entre culturas diversas.
Tais assimilações, com o tempo foram se intensificando, em virtude das migrações, das guerras, do
desenvolvimento e do crescimento da atividade comercial.
O encontro de uma cultura com outra traz consigo a avaliação recíproca, o julgamento da
cultura do “outro”. A análise da outra cultura é feita de modo a considerar a sua como a ideal,
passando, muitas vezes, a desprezar os valores, o conhecimento, a cultura do “outro”, e até mesmo
os atributos físicos, como cor da pele, tipo de cabelo, etc.
Com isso, se estabelece o etnocentrismo, que deriva de etnia (reunião de indivíduos que
partilham a mesma cultura). O etnocentrismo refere-se à idéia de que o povo do qual se faz parte,
aliado à sua cultura particular, é superior aos “outros”.
A partir do século passado, as nações européias passaram a conquistar diversas áreas da
terra, dominando povos. Com isso, a cultura européia, com seus valores, suas normas, leis,
vestimentas e crenças, foi imposta aos povos dominados da América, Ásia, África e Oceania. Por
outro lado, os europeus também assimilaram aspectos culturais desses povos.
Um dos aspectos importantes da civilização ocidental foi a contribuição dos Estados Unidos,
que assimilaram, através da colonização, a cultura européia, reforçando o individualismo, nascido
com os ideais da Revolução Francesa, baseado no homem que vence na vida graças aos seus
próprios esforços, e o consumismo, alicerçado na busca constante por inovações e a acumulação
de bens.
A influência da cultura ocidental está presente em praticamente todos os recantos do planeta,
embora se misture com elementos culturais locais. Sociedades da América, Ásia, África e Oceania, passaram a ter formas de governo, estruturas
produtivas, tipos de relações sociais e de trabalho, costumes, hábitos e valores moldados na Europa
e nos Estados Unidos.
Entretanto, nos países em que os valores ocidentais foram levados, sem que ocorressem
dominação política, essas sociedades não poderiam ser consideradas integrantes da civilização
ocidental. É o caso do Japão, detentor de cultura diferente da ocidental. A cultura japonesa valoriza
o coletivo, a família, e não o individual, embora passe por profundas transformações.
Se por um lado, o Japão assimilou a modernidade, os avanços tecnológicos, a
industrialização e urbanização, por outro, devido ao seu elevado desenvolvimento industrial, muitas
de suas técnicas de produção foram assimiladas no Ocidente, e produtos desenvolvidos lá, são
fabricados e comercializados por empresas de diversos países, como o walkman, por exemplo.
As diversas nações dentro de um país, aliadas às questões da não-aceitação das diferenças,
têm propiciado o desenvolvimento das lutas nacionalistas. Esses nacionalistas reivindicam para as
suas nações, a constituição de um Estado ou país. É o caso dos palestinos, em Israel, e dos curdos,
na Turquia e Iraque, por exemplo.
Todas as culturas representam formas de existência de uma coletividade humana num certo
espaço. Formas que mudam ou se aperfeiçoam com o tempo. A troca de experiências foi marcante
na história das civilizações. A diversidade cultural é uma riqueza, um bem a ser preservado e
estimulado. Ela permite caminhos e experiências distintas que costumam cruzar-se ou estimular uns
aos outros, promovendo a geração de inovações e aperfeiçoamentos.

A expansão dos meios de comunicação de massa é responsável pela difusão das diversas
culturas pelo mundo. Entretanto, nem todas as sociedades são afetadas por culturas de outros
países. Algumas por viverem isoladas ou relativamente inacessíveis, devido à precariedade dos
meios de transporte e comunicação. Outras, por não se sentirem satisfeitas ao ver suas culturas
influenciadas por culturas diferentes.



Bibliografia consultada:

Vesentini, J. William. Sociedade e espaço: geografia geral e do Brasil. São Paulo: Ática, 1999.

Nenhum comentário:

Postar um comentário